Prémios de desempenho e promoções: Quais as práticas mais comuns em Portugal?

São os colaboradores com funções de gestão mais ou menos privilegiados que os restantes na empresa nestes aspetos? O INE revela.

16-02-2018
Euro_Keyboard_427
Em 2016, menos de metade (44,9%) das empresas referiu ter atribuído prémios de desempenho às pessoas ao serviço pelo cumprimento dos objetivos definidos para a empresa. Por outro lado, e no mesmo período, em mais de metade das empresas (51,3%), as pessoas ao serviço com funções de gestão não foram promovidas.

Estes são dados do Inquérito às Práticas de Gestão do INE – Instituto Nacional de Estatístico, um estudo inédito junto de uma amostra de empresas, constituídas sob a forma jurídica de sociedade, com cerca de 4 mil respostas relativas a práticas e características de gestão em 2016. Isto é pertinente porque as “práticas de gestão contam significativamente para o desempenho económico das empresas”.

E o que revelam os dados sobre a realidade nacional? No tocante aos prémios de desempenho anuais atribuídos pelo total das empresas às pessoas ao serviço com funções de gestão, estes basearam-se, em primeira instância, no desempenho da própria empresa (41,1%). Contrariamente, os prémios dos colaboradores sem funções de gestão basearam-se primeiro no desempenho individual de cada trabalhador (42,2%) e só depois no desempenho da empresa (33,1%).

Nas empresas pertencentes a um grupo económico e nas grandes empresas, mais de 60% referiu ter atribuído prémios de desempenho (61,8% e 63,7%, respetivamente), e observou-se, igualmente, que a atribuição de prémios foi crescente com a idade da empresa (33,7% nas jovens face a 49,1% nas seniores).

E que dizer das promoções? Em cerca de 40% das empresas, as promoções dos gestores foram baseadas apenas no desempenho e nas capacidades. Contrariamente, a percentagem de empresas com pessoas ao serviço sem funções de gestão promovidas em 2016 superou os 55%, sendo que em 44,1% o foram com base apenas no desempenho e capacidades.

A pertença a um grupo económico foi um fator decisivo para a probabilidade da empresa efetuar promoções. Em média, em cerca de 67% das empresas integradas num grupo, houve promoções dos colaboradores, face a cerca de 39% nas empresas não pertencentes a um grupo.

A promoção das pessoas foi proporcional à dimensão da empresa: quanto maior a dimensão, maior a proporção de sociedades a referir a promoção de pessoal ao serviço (em média, cerca de 80% das grandes empresas promoveram o seu pessoal, face a cerca de 26% nas micro empresas).

Foi nas empresas não pertencentes a um grupo económico que se observou a maior discrepância entre as pessoas ao serviço que não foram promovidas em 2016, mais 9 p.p. nos gestores face às pessoas sem funções de gestão. Nas pequenas e médias empresas (PME) este diferencial foi igualmente significativo, mais 8,5 p.p. nas pessoas com funções de gestão face às pessoas sem funções de gestão.


Já recebe a e-newsletter Santander Advance Empresas?
Para receber gratuitamente
as notícias que interessam
a quem tem negócios,
introduza um endereço de e-mail:

CONTEÚDO RELACIONADO

Curso Online

Business Driving

Curso Online

Saber Vender

Atualidade

Santander com novas soluções auto para empresas

Atualidade

Santander com novas soluções auto amigas do ambiente

Empresas TV

Lições do Lago dos Tubarões: Valor das Pessoas e para os Investidores

Empresas TV

Gestão Estratégica: Portugal no Mundo